Connect with us

Hi, what are you looking for?

Weastar

SOCIEDADE

Galerias Municipais de Albufeira de portas abertas

As galerias municipais de arte de Albufeira abriram ao público na passada segunda-feira, dia 5, embora mantendo as devidas recomendações da DGS.

A exposição de fotografia e desenho “From Above”, resulta de uma proposta feita pelo Município de Albufeira para o Plano Cultural de Escola do Agrupamento, que foi bem aceite e desenvolvido pelas professoras Carla Rajão, de Desenho, e Fernanda Lamy, de Português, com os seus alunos das turmas 10º B, H e I, numa articulação com as aprendizagens essenciais.

O desafio foi complexo: “Albufeira, Ferreiras, Paderne, Guia vistas de cima: sótãos, terraços e varandas, telhados, do alto de uma falésia ou de um miradouro – que imagens, perspetivas, ângulos e pontos de vista?” Já na disciplina de Português, a inspiração veio do capítulo XI da “Crónica de D. João I”, onde lê: “As gentes que esto ouviam, saíam aa rua veer que cousa era; […] e era tanta que era estranha cousa de veer. Nom cabiam pelas ruas principaes, e atrevessavom logares escusos, […]”.

Ou seja, perspetivas diferentes para as mesmas realidades. Os trabalhos estão expostos na Galeria Municipal João Bailote desde a passada segunda-feira, mas a inauguração é online, amanhã, quarta-feira, às 14h30, com a participação de alunos, professores e entidades envolvidas. Refira-se que a exposição integra o PNA – Plano Nacional das Artes.

Por seu turno, na Galeria de Arte Pintor Samora Barros, a exposição “Minhas raízes” é uma retrospetiva sobre “memórias, raízes, relação com a cultura local, trabalhos no campo, natureza, animais e viagens pelo Alentejo”, do artista plástico Vitor Pisco.

As técnicas utilizadas são o acrílico, óleo e técnica mista. Segundo Vitor Prisco, as suas “inspirações vêm das memórias do Alentejo de outrora e algumas do presente.

Nas telas podem-se ver ceifeiras, pastores, mondadeiras, aguadeiras, carreiros, e aves como perdizes, coelhos, lebres, abetardas e sisões entre outros animais autóctones.”

Vítor Pisco começou a desenhar e pintar em criança à lareira. Depois, na escola primária, nos intervalos ficava na sala de aula a desenhar e é só em adulto que toma contacto com as primeiras técnicas de pintura a óleo, nomeadamente com o pintor impressionista Camol D’Évora.

Deste modo, iniciou-se a sua fase de pintura em acrílico e técnica mista. Vítor Pisco adota um estilo livre, sem regras, embora sejam marcantes as influências de pintores como Picasso, Salvador Dali, Van Gogh, Marc Chagall e Kandinsky, marcando o seu percurso por estéticas diversas, como o expressionismo, neoexpressionismo, abstracionismo e expressionismo figurativo. Para ver até 27 de abril.

Ambas as exposições podem ser apreciadas seguindo as prescrições da DGS – Direção-Geral de Saúde, de segunda a sexta-feira, nos horários 09h30-12h30 e 13h30-17h30, encerrando aos sábados, domingos e feriados.

Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Advertisement

May Also Like

Copyright © 2020-2030 Weastar.com. powered by WeaStar.